email: comercial@zancollor.com.br

Ícone Facebook Ícone Instagram Ícone Linkedin
VOLTAR

 • 

4 minutos de leitura.

Evite problemas na coloração de termoplásticos

Autor:
Zan Collor

Publicado em
11/11/2021

A cor contribui grandemente para o sucesso de um produto. E no setor do plástico, ela também exerce um papel importante. Entre as técnicas utilizadas para a coloração de termoplásticos, o método masterbatch – composto que possui alto poder tintoral  é o que tem a adesão mais ampla pela indústria, não só pela alta qualidade que oferece, mas também por se adaptar aos diferentes processos de transformação do plástico.

Só que no momento da coloração, é preciso considerar alguns fatores importantes para garantir que o resultado final seja satisfatório, como o tipo de pigmento que será aplicado, o percentual do veículo utilizado, os aditivos, o equipamento utilizado, etc.

É preciso estar atento, por exemplo, à temperatura de processamento, aos níveis de tolerância, aos regulatórios e à utilização do produto final.

No processo de adição de cores do plástico, outros erros comuns estão relacionados à mistura e à dosagem. No caso da mistura, devido às características físicas, como densidade e tamanho dos grânulos, e à grande variedade de combinações de pigmentos utilizados para conferir cor, a mistura pode ficar mal distribuída, provocando variações de tonalidade. Já a dosagem deve ser monitorada e calibrada no decorrer de todo o processo, utilizando, inclusive, dosadores automáticos.

Adição de cores do plástico com masterbatch

Como dissemos acima, o masterbatch é o produto mais utilizado para adicionar cores ao plástico. Além dele, há o pigmento em pó, que é mais barato, mas gera mais sujeira e apresenta dificuldades de troca de cor e limpeza da máquina, sendo, por isso, menos utilizado. A terceira opção é o líquido, que era uma técnica antiga e voltou a ser utilizada por conta dos dosadores automáticos.

Fonte: https:mundodoplastico.plasticobrasil.com.br/