email: comercial@zancollor.com.br

Ícone Facebook Ícone Instagram Ícone Linkedin
VOLTAR

 • 

4 minutos de leitura.

Por que as cores são capazes de exercer influência sobre os consumidores ?

Autor:
Zan Collor

Publicado em
25/02/2022

A escolha de cores para marcas, sinalizações de trânsito, restaurantes, entre outros, não é despretensiosa. As cores têm um grande poder de influência sobre o cérebro.

Segundo o cientista Dr. Fabiano Abreu, as cores são capazes de influenciar o comportamento dos indivíduos. Em seu artigo “Neuroanatomia das Cores”, explica que a percepção das tonalidades ocorre pela interação entre ondas, olhos e o cérebro humano.

Em sua pesquisa, evidencia que diversos estudos mostram ativações sutis em áreas do cérebro durante a percepção de certas tonalidades de cores: “dois exemplos são as alterações neurais relacionadas à captação de ondas dos cones da retina que diferem entre vermelho e verde e as alterações neurais que ocorrem quando o cérebro identifica cores quentes (amarelo, laranja e vermelho) e frias (violeta, azul)”.

Há séculos a relação das cores com o cérebro humano é pesquisada por cientistas. Todos os estudos foram importantes para a ampliação da “teoria das cores”, que é muito conhecida e aplicada por profissionais da área de Design, Arquitetura e Publicidade, por exemplo.

Esta relação de influência pode ser percebida em aspectos do cotidiano, como a placa de trânsito “pare” ser vermelha, porque de acordo com os estudos feitos por Goethe, essa cor transmite urgência e velocidade.

Outro exemplo são as cores selecionadas pelo Mcdonald’s (MCD; MCDC34) , amarelo e vermelho, que buscam atrair o consumidor, deixá-lo com fome e satisfeito em estar ali.

O cientista Fabiano Abreu constata que hoje em dia as empresas e marcas sabem da enorme importância da teoria das cores para a consolidação da identidade da marca, estratégia de marketing e comunicação com o público.

Assim, a compreensão sobre como utilizar da teoria das cores é fundamental para a conexão com o público e consolidação de empresas e marcas no mercado.

Fonte: www.moneytimes.com.br